Nesse outro tempo em que fazemos nada,
de maneira exata,
A sedução se cala em silêncio  mudo
E toca na verdade de todo absurdo.
 
Os dias que se entregam como em uma derrota
Movimentam o pouco ar que também pouco importa,
E o pouco que sabemos sobre o fim do mundo
Pode ser também o começo de tudo.
 
Que siga
O que deixamos soltos naquela sexta -feira,
As pistas de que o tempo em movimento ainda nos queira,
Que nos acolha em seu colo porque
A chuva chega e a chuva chega
E a chuva cai
 
Se eu pudesse ao menos te dizer nesse escuro,
O quanto sinto falta do velho futuro.
Seu rosto inundado pela luz do mundo, 
Mas as palavras soltas me fogem em um segundo
 
Mas tudo que dissesse poderia ser usado
Contra minha vontade de mudar esse estado
Das coisas que parecem que não vão ter fim.
Dos dias que calados nos deixaram assim.  

Piano elétrico, Synth Moog, Korg Radias,
Piano Sampler, Wurlitzer, Baixo,
violão nylon, bateria eletrônica e samplers
de bateria, vozes - Humberto Barros