Cheguei no exato momento para falar de uma fragilidade,
de viver na cidade do tempo em tempos de nenhuma idade.
Existiam minhas recordações e só,
por mais que pareça pouco, me traziam canções em Sol maior.

Éramos poucos e de repente, éramos nada
Olhávamos todos juntos para direções erradas.
Não havia mais nenhum ponto de intercessão
Não havia poesia, apenas sim ou não.

O que trazia era mesmo pouco perto da infecção.
Marcavam as nossas caras e agora era não e não
Sabia que nada disso nos fez melhor?
Sabia?  Perdemos tanto  de todos nós.

Andava, andava, andava e não chegava a lugar nenhum.
Por água, por 20, por dezenas deles em ascensão,
Somos ilhas de indiferença no mar do fundo,
Mas no fundo, nos contorcemos de dor.

Andava, andava, andava e não chegava a lugar nenhum.
Por água, por 20, por dezenas deles em ascensão,
Somos ilhas de indiferença no mar do fundo,
Mas no fundo, nos contorcemos de solidão.

Bateria: Marcelo Vig
Violões, guitarras, baixo, Synth,
piano elétrico e voz: HB